sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Adeus Dois Mil e Dez







Em dois mil e dez, vi a viola em cacos!
Pensei que não fosse sobreviver.
Vi minha morte de perto
E ela me apontou o certo:
Era-me necessário recuperar o gosto de viver.
Mover, mais uma vez, os dados.
Levantar acampamento para recuperar a dignidade,
Que escorreu pelos bueiros da infelicidade.


Após quinze meses de espera,
Eis que chega a minha primavera:
Vendi minha casa
E abri as asas!
Consegui colocar meus pés,
Na sonhada Itacaré!
Emocionei-me imensamente,
Intensamente!


Ao ver o seu mar,
Com o qual não me canso de brincar...


Tive e estou tendo uma recepção cinematográfica,
Que alterou toda a minha estática...
Ser tratado com carinho, acalma.
Clareia a alma.
Facilita a positividade.
É meio caminho para a felicidade.
Ter chegado à cidade,
Pela Pousada da Lua, garantiu-me a tranquilidade,


Para eu restaurar minha melodia.
Foram dez dias
Que, para sempre lembrarei.
No centro do meu ser levarei.
Foi o início da minha vida na Bahia:
Deliciosa e magnífica ousadia,
Onde o último nó se desata
E a poesia flui, impunemente, em cascata.


Dois mil e dez acabou sendo um dos mais importantes,
Mais relevantes
Anos de minha alucinada existência.
Onde pude provar a qualidade,
A tenacidade
De minha resiliência.
Estou tendo a oportunidade de provar minhas teorias,
E dar um novo andamento, mais alegre, à minha melodia.


Ousei
Fui atrás do que achava justo
Para o meu mundo.
Do apego, abdiquei.
Ao universo, literalmente, me entreguei...
Profundamente respirei...
Saltei...
...Voei!


Estou no ar...
Não posso mais pousar!




Aos queridos amigos:
Sem vocês, nada seria possível! Muito Obrigado!
À minha vida, vocês deram novo sentido.
Agradeço-lhes, com o coração emocionado.

Ousem!
Abusem...
Tenham coragem
De repaginar a miragem!

Feliz 2011 - !!!


Vídeo indicado:
http://www.youtube.com/watch?v=OBVC9hgb9wM&feature=related

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Difícil de Esquecer



Nem todo esse suplício,
Cravejado de sacrifícios...
Nem toda a polêmica,
Gerada pela crise endêmica,

Nem essa intolerância sistêmica!

Nada esta conseguindo me fazer desacreditar,
Na perfeição que vai se descortinar,
Tão logo o alvorecer,
Tome posse do viver!

Será difícil de esquecer!

Antevejo cores saborosas,
Frutas melodiosas,
Ingênuas marolas,
Com perfume de rosas!

Sequências harmoniosas!

Exuberância,
Vestida em elegância!
Com simplicidade
E muita sinceridade!

Império da verdade!

Já sinto sua vibração,
Exercendo sua atração.
Ouço ao fundo sua inconfundível canção,
Exercendo sua sedução!

Tentação!

E tudo sob a rigorosa inspeção
De Sua Majestade A Evolução!
Senhora de todos os abrigos...
Todos os destinos!

Por quem, obrigatoriamente, dobram os sinos!



Vídeo recomendado:

http://www.youtube.com/watch?v=dCPRkQUrxzQ&feature=related

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Detesto



Abomino o perpétuo sorriso,
Estampado gratuitamente,
Plasticamente,
Artificialmente,
Equivocadamente,
Na face de quem trabalha com o turismo.

Aquele atendimento padronizado,
Com texto decorado,
Visando sempre algum lucro
E classificando o turista como burro.
Chega, a alguns, até, a enganar,
Mas é de amargar.

Um grande problema nas cidades pequenas,
Com suas estreitas rendas,
É a falta de opção
De trabalho para a população.
Na faixa litorânea,
A escolha nunca é espontânea.
Como em todas as áreas, nessa também,
É preciso ter vocação, para ir além.

Lidar com público é, realmente, desgastante.
Algumas vezes, desestimulante.
Nunca se sabe como vai reagir,
Ou se está interessado em interagir...
A esmagadora maioria ganha pouco,
Por isso corre atrás das comissões,
Das indicações,
Para sair do sufoco.

Ainda assim, em alguns casos, os patrões,
Ficam com parte desse dinheiro.
Complicando a situação por inteiro,
Apertando dolorosamente os grilhões...
Enquanto o cidadão,
Sonha com a vida metropolitana que vê na televisão.
Dentro de sua visão,
Não consegue discernir a ilusão...

Também, é normal, nesses lugares,
O despreparo do “pseudo empresário”
Que só quer saber do numerário...
Trata o hóspede como otário,
Aplicando-lhe malfadados contos do vigário...
Os textos que ouvi desses senhores,
Alguns, me causaram estranhos tremores...

De tão absurdos,
De tão obtusos!
De tão amadores
Em seus egoístas clamores!
Saem das cidades grandes, acreditando que vão arrasar...
Que, de ganhar dinheiro fácil, vão se cansar!

Chegam aqui, encontram a dura realidade
E descarregam a sua frustração,
Abusando da exploração
Tanto do funcionário, quanto do turista.
Um autoengodo, sobre todos os pontos de vista!
Uma postura que beira à calamidade.

Nesse quadro confuso,
É toscamente valorizada a figura do puxa-saco...
É o responsável por alimentar o ego profundo
Colossal,
Abismal,
Perturbado,
Do proprietário...
Em seu difuso itinerário.

Encastelado em sua própria ignorância,
Abastecido por sua inesgotável arrogância,
O dono do negócio,
Amante frustrado do ócio,
Orienta o elenco a perpetuamente sorrir,
Para melhor seduzir.
Instrui algumas brincadeiras,
Que, obviamente, rolam a ribanceira...

Institucionaliza um texto padrão,
Que deve ser usado sem exceção...
Uma postura pré-moldada,
Inspirada, certamente, na arquibancada...
Sem perceber
O terrível e imperdoável engano que está a cometer,
Privando a espontaneidade,
Da hospitalidade!



Texto escrito em Paraty - RJ

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Desejo Maduro





Tento sempre não evidenciar
A intensidade com que vivo,
Assim à toa, em praça pública.
Minha preocupação única,
É não ser compreendido,
Ou indevidamente interpretado,
Precipitadamente julgado...
Por isso gosto de me aquietar
Nas malhas do cotidiano,
Quietinho em meu canto.

Quando chamado,
Se solicitado,
Aí sim, abro minha boca,
Ainda assim, com uma atenção louca,
Para não me empolgar
E desandar a entregar...
Demorei muito para entender
A particularidade da minha visão...
Dificilmente posso, totalmente, me estender...
Devido à peculiaridade da minha geral concepção!

Um dos fatores duros de engolir,
Que muitos não conseguem digerir,
É, exatamente, a intensidade da minha existência,
Que me obrigou a um aprofundamento da consciência,
Para tentar assimilar o que se passa comigo.
De onde vem tudo isso que sinto...
Qual a razão de eu pensar dessa forma?
Quem deu ordem para eu escrever minhas normas?
Como é que eu posso ser tão fraco, sendo tão forte?
Como é que posso sofrer tanto, tendo tanta sorte?

Confesso que boa parte dessas respostas,
Só as tenho em rascunho,
Embora escritas com a honestidade de um cicatrizado punho...
Minhas explicações há muito, foram depostas...
Perderam a validade,
Com a chegada da quase maturidade...
Não preciso mais decifrar
A composição holística do ar...
Quero mesmo é ter tranquilidade,
Para viver
E perceber!

Depois deixar fluir a criatividade
E escrever,
Escrever,

Escrever...!


Vídeo indicado:


http://www.youtube.com/watch?v=9efoujSnccs&feature=related



segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Adeus Peixes!




Na era passada, de Peixes, totalmente voltada para a devoção,
A postura simbólica para se dirigir à Criação,
Era se ajoelhar.
Dobrar os joelhos reverenciava a divindade.
A intenção era demonstrar
De forma inequívoca, humildade.
Plena aceitação,
Submissão!

Na era de Aquarius, isso mudará
A humanidade levantará!
Dentro de si reconhecerá a divindade,
Com a devida humildade!
Não abusará mais da passividade da fé.
Permanecerá olhando para o alto de pé.

Sentindo dentro de si as cósmicas pulsações,
Produzindo inacreditáveis sensações.
A evolução adotará outros caminhos,
Para cumprir seu destino,
Que não passem tanto, pela dor
E sim, pelo interno ardor.

A dependência externa retrocederá
Em favor do sol interno que, impunemente brilhará!
Longe das cadeias religiosas,
Liberto das manipulações perniciosas!
Cada um será o seu próprio guia.
Responsável único pela sua ardentia.

Tudo que nos foi imposto,
Será, finalmente, deposto!
Algo novo e libertário será proposto
E nos suavizará o rosto...
O exercício da afeição sem apego
Devolver-nos-á o sossego!

A desigualdade é que nos transportará para a igualdade.
O livre arbítrio
Devolver-nos-á ao celestial juízo!
A busca pela tão sonhada liberdade,
Até então escravagista,
Será imaculadamente abolicionista.
A humanidade dará largos passos,
Em direção a um oitavado abraço.
Sem os, absurdamente badalados, vilões,
Sem, os malfadados grilhões,
O mundo será melhor!
A vida será maior!




Dedico esse texto ao meu amigo/irmão
Do Pico do Itambé, Guardião!
Poeta alucinado,
Menino levado...!

Welinton Magno

Vídeo indicado:
http://www.youtube.com/watch?v=4d904qEstj0&feature=related

domingo, 26 de dezembro de 2010

Descomplique-se


                                               

Deixa! Deixe fluir o bom...
Seja bom!
Embarque nesse som...
Assuma o seu dom
De humanidade,
Com humildade!

Seja legal!
Tente ser excepcional!
Confie na sua cósmica descendência.
Aposte na consequente ascendência!
Desafie a ciência,
Seja um ícone de paciência...

Releve!
Pegue leve!
Descontraia-se,
Desobstrua-se!
Não se subestime,
Nem se superestime!

Simplesmente, ocupe o seu espaço.
Estenda bem os braços...
Permita que os celestiais desígnios,
Invadam os seus signos!
Acione-se!
Revolucione-se!

Cuide de você, em primeiro lugar.
Purifique o seu ar...
Tome providências,
Que tenham construtivas consequências!
Reduza ao mínimo, seus desejos.
Valorize cada vírgula do seu enredo!

Cuide de apoiar alguém.
Seja prestativo.
Descubra o prazer de ser amigo!
Coloque-se acessível,
Seja sensível!
Queira sempre o alheio bem!

Trave os ouvidos à cultura
Que prega a ruptura,
Em lugar da união,
Atrasando assim a humana evolução.
Evite todo o tipo de violência.
Cobre a sua consciência!

Não pode ser tão complicado,
Escolher o iluminado!


Vídeo indicado:



sábado, 25 de dezembro de 2010

Depositários




Quero reforçar que somos todos, portadores da Verdade!
Carregamos sementes de eternidade!
Em algum ponto do nosso ser,
Estão todas as respostas do viver!

O acesso varia de acordo com o estágio da consciência,
Com o nível da persistência,
Com a intensidade da fluorescência,
Com a qualidade da cadência!

A originalidade da experiência!

A tenacidade da paciência!

Às vezes, o acesso é involuntário,
Atropelando o itinerário!
Pega de surpresa!
Transborda a represa!
Provoca calafrios,
Inunda o vazio!

Provocam a sensação de quebra-cabeça montado!
Tudo encaixado,
Em ordem, iluminado...
Realizado!
Mas, passam rápido!
O espírito precisa estar sempre ávido!

Cosmicamente conectado,
Na banda mais larga
Com a velocidade mais alta
E com os canais liberados.
É necessário espaço no disco rígido,
Para esse plug-in, ligeiramente lírico!

Fornece um brilho extra à atualidade.
Incentiva à sensibilidade...
À suavidade,
À serenidade!
Provoca um realinhamento,
Com um novo entendimento,

Rumo a um confortável enquadramento!


Vídeo indicado:

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Dedicação

                           

Sonhamos com grandes feitos e nos esquecemos dos pequenos,
Dos cotidianos.
Excelentes oportunidades para nos mostrarmos soberanos,
Convincentemente serenos!
Posto que nos atos de todo dia,
Existe a mecanicidade da rotina...
Nublando a conduta,
Sabotando a postura...
Furtando toda a fantasia
Da melodia.

Exatamente por esse motivo,
Devemos inverter o sentido
Da embarcação
E surpreender na reação.
Ao invés de nos deixarmos levar pelo marasmo,
Pelo corrosivo sarcasmo,
Devemos, a todo custo,
Compor versos para colorir nosso mundo.
Atitudes surpreendentemente positivas,
São estímulos imprescindíveis para a lida.

Dedicar-mo-nos, a cada empreendimento,
Com respeito e sentimento,
Como se fosse um grande acontecimento,
Sem sombra de dúvida é um sábio investimento.
Perdemos muito tempo devaneando com grandes realizações,
Que, normalmente, desembocam em frustrações,
Enquanto deixamos escapar
A magia inebriante que está no ar...
Totalmente disponível,
Plenamente acessível.

Basta debruçarmos nossa atenção
A tudo que fazemos,
A tudo que nos rodeia,
A tudo que encontramos...
Ao que trazemos,
Ao que nos incendeia,
Ao que elaboramos...
A cada gesto,
Às sombras no teto...
A toda espécie de manifestação!

Estarmos presentes no momento!
Inteiros,
Intensos!
Atentos!
Agindo conscientemente,
Holisticamente!
É um feito por demais grandioso,
Com um sabor valioso.
É meio caminho andado,
Para quem se pretende cosmicamente conectado.


Vídeo recomendado:

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

De um Corte



Nunca mais viverei pequeno.
Reduzido a um emprego!
Narcotizado pelo capitalismo,
Ou, por qualquer outro ismo...

Abomino as algemas disfarçadas de civilização,
Ou, vida em sociedade...
Sofrível encenação...
Domínio da mediocridade!

Bem que tentei me adequar,
Queria, a todo custo, me adaptar...
Fui humilhado
E rejeitado!

Oh! Sorte!
Atingiu-me através de um corte...
Soltei os grilhões...
Emergi dos porões!

Repaginado em poesia,
Redescobri minha melodia,
Estou indo atrás do meu sonho,
Por isso esse ar risonho...

Estou resgatando minha dignidade,
Com toda a humildade!
Gostei de me reassumir.
Está mais largo o meu sorrir...

Acho que pela primeira vez na vida, estou confiante.
Sei exatamente o que me é relevante,
O que ao mundo é importante.
O que sinto é empolgante!!!

Quero crer que seja a colheita da minha plantação.
A realização,
A materialização,
Da minha revolução!

Toda baseada em afeição!



Vídeo indicado:

http://www.youtube.com/watch?v=PnfnIVM49YA&feature=related

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

De Primeira



Fico até acanhado...
Como tenho sido bem tratado!

A minha colheita vem se mostrando farta,
Com uma qualidade bem alta!

Cada vez mais, faço questão
De praticar a afeição!

Perdi o medo.
Estou propício ao enlevo...

Gosto do caminho onde estou.
Uma positividade, de mim, se apossou!

Sinto-me muitíssimo bem disposto,
E isso está bastante claro no meu rosto!

Estou convicto de que o pior passou
E a cabeça aguentou,

Suportou,
Assimilou!

Aprendeu,
Floresceu!

Daqui em diante, aproveitarei cada instante
Sempre no encalço do mais importante!

Da substância,
Da relevância!

Conheci o horizonte,
Fiz dele minha fonte!

Maná da inspiração,
Que atravessa a imensidão,

Em um exercício único, de criatividade,
Aliada à sensibilidade!

A mais perfeita obra de arte!
Endossando minhas palavras: eis esse cair de tarde..
.




Vídeo indicado:

http://www.youtube.com/watch?v=DIYknjC5mTE&feature=related

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

De Cara






É estranha a reação das pessoas, quando a verdade se faz presente,

Com a sua energia arguente!

Agem como se estivessem diante de uma surpresa...

Sendo que a Verdade é a única certeza!

Acostumaram-se tanto à ilusão,

Que não sabem como se comportar,

Como caminhar

Sobre um seguro chão.

Com pedras, mas real!

Sem arestas, por ser sideral!



Se ela não irrompesse o falso invólucro da mentira,

Não rebentasse por sobre todas as feridas,

Nossos enganos não teriam mais acerto,

Não acordaríamos desse desassossego,

Que insulta a Criação,

Com a sua devastação.

Não conseguiríamos retornar

Desse caminho, completamente sem ar...

Continuaríamos a nos mutilar,

E a nos desesperar...



Sabemos quando saímos do terreno da verdade.

Dentro de nós, sabemos quando algo fere a realidade.

Como se tivéssemos um tribunal interno,

Ajudando-nos a decodificar o mundo externo.

Mas, nos espantamos com as consequências,

Como se elas não fizessem parte inevitável da sequência...

Acreditamos demais no poder da manipulação.

O que é uma terrível abstração!

Demonstra um total desconhecimento,

Dos princípios fundamentais do firmamento.



Ao enganar alguém,

Estamos desprezando o além...

Estamos nos julgando superiores à lei de causa e efeito...

Achando que podemos desviar, impunemente, do rio, o leito.

É evidente a inevitabilidade do bumerangue na vida:

O que vai, volta!

O que lançamos, retorna!

Inexistem atalhos,

Apenas frutos do trabalho!

Sejamos inteligentes e não espertos!



Optemos pelo certo!

Facilitemos a nossa própria subida!





Vídeo indicado:
http://www.youtube.com/watch?v=OZZqvNXh80I&p=EF438D76F098BAA0&playnext=1&index=45

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

De Bem com a Vida








A decisão de vir pra Itacaré,

Na qual finquei tanto o pé,

Significa que estou fazendo as pazes com a vida.

Viveremos na mais fina sintonia,

Com direito a regalias

E algumas indecentes galhardias...



Entreguei-me a seus braços.

É ela quem definirá meus passos.

Para mim, o que vier estará bom,

Hei de encontrar um adequado tom...

Chega de querer servir a dois senhores:

Adeus circo de horrores!



Coloquei-me à disposição do meu eu superior.

Ele é o responsável pelo meu ardor,

Nada mais justo que ele defina o caminho,

O direcionamento do carinho...

Combinamos que ele vai deixar tudo bem claro,

Para eu não me atrapalhar, o que é raro...



Estou realmente, disposto a viver em tranquilidade,

Com toques de felicidade!

Com os meus sonhos, já me entendi.

É considerável o que já percebi...

Fiz um suco com o passado e bebi...

Melhor, nunca me senti!



Faço questão absoluta de compartilhar,

De espalhar pelo ar,

Essa confiança,

Muito mais que esperança...

A temperança,

Há de me manter em bonança!



Estou apostando no aprendizado,

No imenso legado,

Das inacreditáveis experiências,

Pelo qual submeti a consciência!

Quero por em prática o que aprendi;

O Bom que pressenti!





Para Kátia Regina Luhmann



Vídeo indicado:



http://www.youtube.com/watch?v=RM2QqLE4OGI

domingo, 19 de dezembro de 2010

Deslizamento de Rocha

Sabem como eu classifico a arrogância?
Como um efeito trágico da impedância...
Aquela aguda microfonia
Que estraga até a mais bela sinfonia!

Ela é filha da ignorância
Com o despreparo!
Pertence a mais baixa instância.
Só causa estragos!

Abusa da inconveniência
E da fragilidade na consistência...
Acusa falha na educação,
Na básica formação.

Uma pobreza!
Exatamente o antônimo de nobreza!
Rasa!
Rala!

Afasta os amigos
Já que só há tempo para o umbigo...
Empina o nariz!
Para encostá-lo no teto, falta um triz!

Dirige com o banco bem recuado
E o braço pra fora!
Sempre perde a hora...
Deixa abestalhado!

Arrogância,
Atrai arrogância!
Golpes!
Cortes!

Atestado de burrice,
Ápice da babaquice!
Coisa de gente pequena,
Curto na antena!

É uma inconsequência,
Que traz sérias consequências!
Separa a família,
Cria desertas e infecundas ilhas!

Atende de óculos escuros...
É um visível e horrendo muro!
Desperta as piores sensações,
As mais baixas emoções!

Trata mal o empregado,
Só anda de carro!
Faz pose
Mas, é podre!

Demonstra uma crônica insegurança,
Afasta qualquer possibilidade de bonança!
Não se sustenta,
Ninguém aguenta!

Faz esquecer o passado,
O tempo do minguado...
Mas não se livra da memória,
Para sempre gravada na história!

Corrompe!
É com a sensação de poder que irrompe!
Vicia mais que cocaína,
Suja latrina!

É cruel!
Putrefato fel...
Empesteia o mundo
Com seu aroma vagabundo!

Enfeia...
Triste cadeia!
Enoja...
Deslizamento de rocha!




Vídeo indicado:
http://www.youtube.com/watch?v=Q9qjTeqbQ0w&feature=related

sábado, 18 de dezembro de 2010

Divisores de Águas


                                     

Alguns acontecimentos são marcos na nossa existência.
Alteram para sempre a nossa pertinência.

Sabemos, que daquele momento em diante,
Irá acontecer alguma alteração importante,
Na nossa formatação,
Na maneira como vivenciamos a ilusão.

Soam todos os internos sinos,
Confirmando o destino...
Surge um turbilhão no plexo solar!
A adrenalina começa a jorrar...
Alterando com singularidade,
O funcionamento orgânico.
...É bem próximo do pânico!
Com um pouco mais de suavidade...

Há uma espécie de sensação de reconhecimento,
De identificação,
De pleno entendimento,
Vindo dessa manifestação.
Em verdade, todo ato
É um marco.
Mas, alguns assumem incontestável importância.
Refiro-me aos positivos,
Que podem ser enquadrados como construtivos.
Trazem consigo a obrigatoriedade da mudança,
Ordenada pelas interiores instâncias.
Uma nova coreografia, dentro da mesma dança.

Réveillons emocionais,
Vêm carregados de quitutes siderais...
De novas oportunidades,
De possibilidades...
Empunham cestos de delicadezas,
Para substituírem as antigas certezas...
São pacíficos!
Por vezes, tímidos!
Porém, gigantescos em significado,
Com seus cósmicos bordados...
São abrangentes,
Além de convergentes!
Precisam ser encarados com atenção,
Para cumprirem sua missão:
Impulsionar a evolução
Sob o céu da vastidão!



Para minha amiga é excelente poetisa Luamor

Vídeo indicado:



sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Até o Sim


 
          
 
Você está se entregando...
Vem de uma vez!
Quero a sua tez...
Não sei por quanto tempo,
Permanecerei me segurando.
É forte o que vem despontando!
 
Eu não posso forçar.
A decisão tem que ser sua.
Você está me impondo na sua vida.
Parece que suplica pela minha libido atrevida!
Quero a sua alma nua...
Quero em você transbordar.
 
Sinto que você está se chegando.
Estou adorando!
Sorvendo cada segundo...
Mergulhando fundo,
Em fantasias abusadas,
Que me deixam as mãos suadas.
 
Vem mais!
Perca a paz,
Para reencontrá-la em outro plano,
Num encantado altiplano.
Lá, aguardando, está algo,
Que lhe fará desejar o salto!
 
Já lhe provei minhas intenções.
Vou lhe provocar deliciosas sensações.
Tocar todos os cantos,
Vou me deitar sobre o seu espanto,
Escravizado ao desejo alucinado,
Que mantém seu corpo ao meu lado.
 
Quero tirar sua roupa,
Beijando sua boca,
Com fome de descobridor,
Com ímpeto de navegador...
Desbravando suavemente seu pudor,
Com o meu inimaginável calor...
 
Falta pouco!
Você me põe louco..
A fuga é pouco provável..
O mergulho é inevitável.
Confie em mim,
Estarei em você, até o sim!
 
 
 
Vídeo indicado:
 
http://www.youtube.com/watch?v=Dma17mvAWLM&feature=related

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Crença


  
                                               
 
                         
 
Em minha mente, é outro o mundo.
Muito mais profundo!
 
Nesse domínio impera a boa vontade,
Temperada com tranquilidade.
Há sempre disposição,
Para servir à evolução.
Inexiste a moralidade bizarra e falsa.
O que existe são códigos universais,
Que funcionam como balsas,
Para todos poderem atravessar os pantanais.
 
O sexo é um florescimento da alma através da pele,
Que não admite mentiras ou manipulações,
Apenas deliciosas constatações,
Que fazem os amantes sentirem-se mais leves...
Inexistem cadeias.
Cada um é responsável pelas suas teias.
O trabalho não é um sacrifício,
Mas a concretização de um ofício!
 
A arte é extremamente cultivada,
Para que a humanidade seja progressivamente sensibilizada.
Não é um privilégio dos loucos.
Permanece acessível a todos.
O contato íntimo com o universo,
Dá-se através de particulares versos.
Impera o mais amplo, total e absoluto respeito,
Para o que cada um carrega no peito.
 
Foi abolida a frustração.
Pratica-se a autorrealização.
Entre todos os reinos, há comunicação
E admiração!
A lei é a da transparência!
Via única para se manter na cósmica cadência.
Há muito foi deletada a intriga,
Geradora de toda ira.
 
A musicalidade é carregada de poesia,
De visível harmonia,
Como requer a nova sinfonia,
Que raiou com o novo dia.
A vaidade foi diluída.
A irmandade ampla foi assumida.
As mãos estão espalmadas
Ou dadas!
 
Todo o conhecimento é partilhado.
Todo o bem é compartilhado!
Há uma meta em comum
Que pulsa em cada um:
A evolução!
Individual e coletiva.
É o que a vastidão incentiva:
A união da razão com o coração!
 
Sutilizou-se a materialidade.
Exercita-se abertamente a espiritualidade,
Sem ópios,
Nem sócios...
Foram descartadas todas as formas de enganação,
De consternação!
Aliada aos odores da primavera,
A sinceridade impera!
 
Extirpou-se de todos os dicionários o vocábulo guerra.
O que impera é uma enorme afeição pela Terra!
Romperam-se todas as fronteiras.
Derrubaram-se todas as barreiras!
A cidadania é planetária
E não panfletária!
Ama-se como sempre se sonhou!
O pesadelo acabou!
 
O que está em minha mente,
Materializar-se-á, inevitavelmente!
 
 
 
Texto comemorativo do meu primeiro mês
Em Itacaré! 
 
Muito acima do esperado!
 
 
Vídeo indicado:
 
http://www.youtube.com/watch?v=RLgCkGxoRuw

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Infinito Amigo


  
              
 
Minha vida é sua!
Linda, louca e nua!
Faça de mim o que quiser.
Extraia de mim o que puder:
Os melhores sucos,
Os maiores extratos.
Sigamos juntos.
É perpétuo nosso contrato.
 
É sua a minha vontade.
Dedico-lhe toda a liberdade,
Que me proporciona a intensidade
Da minha sensibilidade.
Use minha voz
Para desmantelar os nós.
Meu canto é um salto,
Porque vem do alto.
 
Quero ser um veículo da sua evolução
Estendo-lhe sinceramente, a mão
Para que se apodere de mim
A você, só posso dizer SIM!
É por você que eu vivo.
Por sua força é que insisto.
Sei que nunca estive sozinho
Você é meu verdadeiro ninho.
 
Não quero mais habitar a periferia.
É bem alta minha sintonia.
Quero o centro
O núcleo do vento,
Do alento,
Do mais concreto sentimento.
Deixe-me beber da sua verdade.
Quero o benefício da sua fraternidade.
 
O seu carinho
Nunca me faltou pelo caminho.
Vem da sua energia
O meu projeto de harmonia...
Minha musicalidade!
Toda a incansável criatividade.
Minha redenção
Em forma de inspiração!
 
São seus todos os meus versos.
Cada grão
Do meu chão
Devo-lhe a existência,
A consciência:
Infinito!
Meu amigo,
 - UNIVERSO - !

 


 

 
Para meu amigo e excelente poeta
Toninho Bira


 

Vídeo indicado:
http://www.youtube.com/watch?v=WPutyAHvdhk
Claudio Poeta
Publicado no Recanto das Letras em 15/12/2010
Código do texto: T2672620

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

A Melodia Perfeita




             

O que me espanta é a grandiosidade de tudo...
O “manifesto” do mundo!
 
É tanta retidão,
Tanta precisão...
Tudo tão encaixado,
Milimetricamente idealizado...
 
Requintes de nobreza,
De elaborada beleza!
Tudo tão pleno...
Impossível não se sentir sereno!
Pronto, maduro,
Seguro!
 
Mas, que espetacular sinfonia!
Tão viva,
Quanto altiva!
Insubstituível,
Irrecusável!
Arguta...
Absoluta!
...A perfeita melodia!
 
Fico tentando imaginar,
Sempre a arrepiar,
Como será,
O que será,
O que ainda não se manifestou.
O pedaço do sonho que ainda não se realizou...
Qual o próximo traço...
As mãos desse compasso!
A regência
Da existência!
 
A origem do ardor...
 
O primeiro!
 
Os contornos desse tinteiro...
 
Impensável fugir da emoção,
Ou não dançar com essa canção!
 
Melhor mesmo é se deixar levar,
Por esse agradável marulhar...
...Interdimensional mar,
Que só faz encantar,
 
Propagar
 
E conclamar...
  AMOR!    

Para Cassio Leandro Luhmann 
 


Vídeo indicado:
http://www.youtube.com/watch?v=kD6eyUrXo0Y&playnext=1&list=PL4BDF47CAA94EB25E&index=22

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Guerreiros dos Versos - Com Felipe Poeta do Deserto



Inspirados , diretamente, pelo Universo,
Pelo primeiro ventre,
Pelo que houve e haverá de mais arguente!
Dois guerreiros apaixonados,
Pela poesia transmutados,
Usando versos,
Com os corações, extraordinariamente, abertos!
Dividem suas mais salutares aspirações,
Oriundas de inenarráveis sensações diferentes,
Entoando um mantralizar, desentranhado do que se sente...
Dois encantados combatentes,
Pulsam sanativas e curativas vibrações.

Motivados por estupendas constatações,
Deslizam por exclamações,
Desenhadas em azuldourado,
Sobre um piso estrelado!
Dois corações sensíveis, por desígnio,
Absorvem quaisquer mazelas e martírios,
Os penares dos povos e os crus gemidos,
Desde sempre, sofregamente ouvidos,
Rogando em letras, as, quiçá, purificações!
Sob os ditames de longínquas constelações!
Exalam afeição,
Em nome da evolução.

Nossas espadas são esmeradas com afeto,
As armaduras são lustradas com os apelares coesos,
Em desdobramentos intensos,
Galgando assim, algures, pelo universo,
Atinjam qualquer ser. Eis a nossa singular pretensão!
Trabalhando com a mente em expansão,
Entregamo-nos com devoção,
À planetária positivação.
Abrimos mão da cega individualidade,
Em prol à coletividade.
Não tivemos opção,
A não ser escancarar o coração.

E se cada ser praticasse o amor em gestos?
E se o se doar fosse o verbo mais que certo?
E se parássemos de fingir que não aprendemos a lição...
Quem sabe nossa casa alcançaria a salvação!
Unamo-nos já e com o bem,
Dádiva dos espertos,
Dos atravessadores de deserto,
Dos sobreviventos do concreto...
Em brado único, atinjamos a transformação.
Seremos assim, defintivamente, libertos,
Através do uso da chama trina, que brota do coração.
...Humana redenção!

Perdemos o medo!
Somos os autores do nosso enredo.
Externamos o bem da vida, em versos,
Nossos mais queridos alentos!
Dois sinceros poetas, samurais da vida,
Arrebatados pela subida.
Estimuladores de reflexões,
Dos bons intentos,
Dos inesquecíveis sons,
Dos intransferíveis dons.
Cultivadores de celestiais intenções,

Jardineiros do Universo!


Existimos para propagar o melhor
Do maior!




Dedicamos essa criação a todos que já acordaram,
Que estão acordando
E aos que, ainda, acordarão!


Vídeo indicado:
http://www.youtube.com/watch?v=4StXz_ERByo

domingo, 12 de dezembro de 2010

Das Constelações





Algumas relações!

São agraciadas por constelações!



Dispensam contestações,

Por serem apenas, constatações!

Desconhecem segregações,

Por facilitarem as adequações.



Livres de todas as manipulações,

São transparentes suas expressões.

Exceções,

Que, em breve, serão situações!



São plenas de boas sensações

E construtivas emoções!

São puras,

Por terem sido desenhadas nas alturas!



De tão honestas,

Expressam o verdadeiro sentido

Do vocábulo “Festa”!

São autorais, os seus juízos!



Ultrapassam todas as barreiras

E fronteiras,

Com gentilezas

E delicadezas!



Incansáveis,

Por serem confiavelmente estáveis!

Inabaláveis,

Por serem visivelmente saudáveis...



Sinceras,

Como as carícias da primavera...

Apetitosas,

De tão saborosas!



Incansáveis,

Por serem improváveis!

Intocáveis,

Por serem, inacreditavelmente, estáveis!



Reluzentes,

Passam por entre...

Quentes,

São para sempre!



Capazes de unir reinos diferentes,

Com seus elos arguentes,

Ícones de afeição,

Que perpassam a ilusão!



Assim é entre eu e a “Estrela”

Minha fagulha mais intensa!

Indissolúvel união,

Estampada na imensidão!







Obs: Estrela – minha companheira canina

De treze anos e meio!

Ficou em Paraty, na casa de Sonia,

Enquanto arrendava a casa aqui.

Foi atacada, na praia, por um pitbull!

Mas está se recuperando e logo estará aqui!



Vídeo indicado:

http://www.youtube.com/watch?v=smIrP3V-oxg&feature=relatedD

sábado, 11 de dezembro de 2010

Vento na Vela




Tenho que admitir: corri atrás dela...
Ofertei-lhe ardores pela janela!
Percorri milenares religiões,
Contestei todas as manipulações...
Tentei até grampear ligações,
Para ter essas sensações,
Assinadas pela eternidade,
Em toda a sua magnífica generosidade!

A culpa é da beleza da harmonia,
Que encontro na universal melodia!
Podem chamar de utopia,
Mas ouço uma sinfonia...
Pra lá de espetacular!
Algo, realmente, de arrepiar...
Basta, para tanto, manter alta a minha energia,
Para facilitar essa encantada sintonia!

Não há segredo,
Nem um intrincado enredo...
Não é, absolutamente,
Definitivamente,
Um sintoma de iluminação...
Apenas, uma boa conexão
Com o que interessa...
Simples como vento na vela!

Claro que, antes, é preciso abrir mão de tudo,
Que falsifica o seu mundo...
Basta de teatro,
De mau gosto e barato...
É hora da verdade,
Da interior personalidade!
Não há como se decepcionar!
Garanto pela magia que acaricia o ar...

O Eu verdadeiro,
É o melhor timoneiro!
O grande companheiro
O porto derradeiro!
Ele só precisa de espaço.
Livre-se do seu lixo emocional.
Faça uma lavagem cerebral...
Depois, abra bem os seus braços...

Permita à sua verdade, aflorar!
Reconheça que o seu destino é brilhar!



Vídeo indicado:

http://www.youtube.com/watch?v=5CdJbKcbdJs&feature=related

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Delírio de Pincel





Quando o pássaro abre as asas,

- Como se quisesse abraçar todas as casas -,

Respira fundo,

Pedindo o consentimento do mundo,

Absorvendo a harmonia

De sua magia,

Totalmente centrado,

Irremediavelmente determinado,

Ele assume os riscos

De seu destino.



Aceita a própria sina.

Diz, formalmente, - Sim -, para a vida.

Entrega-se ao mistério,

Que sustém seu império.

Realiza os oráculos,

Em um dos mais belos espetáculos!

...Entrega-se ao mergulho,

Rumo ao céu,

De seu ser mais profundo.

- Delírio de pincel –!



Dá as mãos ao Universo,

Transformando-se em versos...

Tridimensionais,

Multidimensionais!

Prova o sabor da verdadeira realização,

Da plenitude!

Expande suas latitudes...

Espelha a Criação,

Na mais doce manifestação:

Uma espetacular canção!



Cuja melodia

Evoca liberdade,

Sinceridade,

Alguma utopia...

Emana afeição

Que se transforma em sementes,

Para futuras mentes

E fecundam o chão.

Transmutam todo o sofrimento,

Nos mais altos sentimentos.




Vídeo indicado:

http://www.youtube.com/watch?v=Rn21OaOd80E&feature=related

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Haja Coração !!!



Cheguei à praia Resende,
A preferida da gente
Dessa cidade,
Onde é inconcebível, não desenvolver,
Não deixar florescer
A sensibilidade
E encontrei uma visão,
Que disparou meu coração...

Céu azul claro, limpo!
Mar quebrando, lindo...
Água transparente
E um punhado de gente,
Em um círculo, na areia...
Pensei: Pronto, só falta ter aparecido uma sereia!

Não era!
Era mais que uma quimera!

Uma tartaruga grande havia enterrado
Mais de uma centena de ovinhos...
Havia chegado o momento dos abusadinhos
Irem para o mar!

Salva-vidas, Surfistas,
Ambulantes,
Habitantes
E turistas
Estavam auxiliando a trajettória dos retardatáriozinhos.
Cavando,
Desenterrando
E os conduzindo ao mar.
Não conseguiriam sozinhos...

Foi-me penoso não chorar de emoção,
Na frente de todos!
Óculos escuros camuflavam meu rosto.
Era geral e plena a comoção!

Desapareceram as classes sociais,
As questões raciais,
As diferenças sexuais
E culturais!
Todos empenhados em ajudar
Os filhotinhos mais fraquinhos,
A saírem do ninho...

Não estou certo, se as pessoas perceberam, ou perceberão
A forma com que tudo estava acontecendo...
A união sonhada e idealizada que estava florescendo!
Todas as segregações esquecidas,
Em prol àquelas pequenas vidas!
Agradeci e agradeço à imensidão
O privilégio de ter obtido a confirmação,
De que a humanidade tem sim, salvação

E que está bem próxima, sua redenção!

Setenta filhotes morreram!
Setenta e dois sobreviveram,
Com ou sem a ajuda, providenciada pela altura.
Foram ter com o mar
E, instantaneamente, aprenderam a nadar!

Absolutamente alucinante,
De tão impressionante!

Pobre do meu peito!
Não tem mais jeito...
É emoção
Por sobre emoção!

Haja coração!


Dedico esse texto à bióloga
Minha amiga
Que me disse que Itacaré
Tinha a minha cara!

Madalena Tedesco!!!


Música Maravilhosa:

http://www.youtube.com/watch?v=AcJMOx4KVoY

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Suprema Manifestação



Então, fica combinado assim:

Vamos reescrever esse fim!



Vamos acordar,

Para a vida se escancarar...

Vamos abrir as mãos

E estendê-las a todos os irmãos!



Deixemos de lado,

Todo o estrago

Escrito

Pelo estabelecido.

Reconheçamos o engano

E deixemos cair o pano!



Esqueçamos para sempre os preconceitos,

Os julgamentos,

A máscara dos temperamentos...

Fica abolida, a partir de agora, de todos os peitos,

Qualquer forma de segregação;

Tudo que não desemboque em união!

Estão proibidas todas as competições,

E, principalmente as manipulações!



Todo talento positivo será incentivado.

Ninguém mais se sentirá rejeitado!

Muito menos, menosprezado!

Sintamo-nos todos, abraçados,

Confortados,

Amparados,

Seguros,

Maduros,

Realizados!

Apaixonados!



A lei instituída

É a da alma evoluída!

O idioma mundial passa a ser

O que ordena o alvorecer:

A sensibilidade!

Única possibilidade

De acesso

Com sucesso

À eternidade

- O mais lindo florescer! –

Manifestação extrema...

...Realização suprema!





Vídeo indicado:

http://www.youtube.com/watch?v=gWI1gs0dJYk



Presente para minha amiga Luzimar