sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Como Assim, Cara Pálida? Achar 45,00 Caro, Um Livro de Poesia? É o preço de uma pizza e duas cervejas!!!!



Nem vou argumentar muito, não, de tão absurdo, injusto, ilógico, burro, estúpido e vergonhoso é esse pensamento! Sei que é verdadeiro, mas estamos aí para mudar isso. Se as pessoas que vivem no mundo da poesia aceitarem uma barbaridade dessas, então, realmente, nada mais poderá ser feito.
Levando-se em consideração o teor de minha obra, toda ela, voltada para a evolução (que as vezes parece impossível) da humanidade, para a luminosidade e a alegria, esse valor está errado sim. Deveria ser o dobro!!!!
Além do que, autor novo, tem que se submeter aos preços das editoras. Não é o autor quem define o preço final de uma obra.
Amigos, coloquem a mão na consciência e revejam esse comportamento vergonhoso!!!
Enlevo não tem preço!!!!

7 comentários:

jose claudio disse...

hehehe! Gostei do arrazoado, meu amigo. Com tanta tela de lcd, led, plasma, etc (caríssimos) não evoluímos um milímetro até hoje. Ao contrário, a velocidade com que a tecnologia avança é inversamente proporcional à que a sociedade evolui culturalmente. Abraços e VIVA o livro. Paz e bem.

Toninhobira disse...

Pois meu amigo,é preciso por a mão na consciencia mesmo.A inversão é terrivel.Este povo que não paga o valor de uma obra de arte, é mesmo que paga R$ 5,00 numa lata de 350 ml de cerveja ou mesmo R$ 20,00 numa dose de Whisky.Então teremos mais bebados de alcool do que bebados de cultura.Durma como um barulho deste.
Um bom dia e bela semana de paz e luz.

Anônimo disse...

***** Concordo com vc em gênero número e grau... Isso é uma abeeerração... ... Vergonhoso mesmo. Parabéns meu amigo!* Um abraço no coração!* >>> Narlei*

Luna Di Primo Cafe Poetico - LunaLux disse...

é seríssimo esse assunto... ele envolve tudo num pais, desde a política até à cultura ou vice e versa...é, poeta, inda temos muito que andar...nós estamos, mesmo que misturados(junto à abestalhados)num nível privilegiado. Sao muiiiiiiiiiiitos, ainda, abaixo e à baixo da linha de acesso à evolução...e esse é nosso papel, ajudá-los a crescer, com toda a paciência do mundo e seus extras... mas chegamos lá com certeza...por isso ganhamos o domínio das letras, não escrevemos, simplesmente, esse é fácil, tem muitos por ai, fazendo-o... mas, formar e gerar opinião, é só conosco... por isso, nossa responsabilidade de tolerância... é difícil? É SIM! Mas, quem disse que seria fácil? Um grande abraço e considere que pra voce, ainda, esa bom, porque, muitos por aí, a não ser como presente ou mesmo assim, ninguem lê, rsrs...bjuuu

Anônimo disse...

Nossa Claudio...ótima comparação, que não tem comparação! Vc tem tooooda razão! rsrs Imagina! Tua obra com certeza é maravilhosa...e eu em breve vou encomendar ta bom! beijoss Camille Simeone

Celêdian Assis disse...

Há duas questões a levantar: primeiro, no país em que vivemos de sistema capitalista e é razoável dizer que o consumismo é desenfreado, mesmo a despeito das classes menos favorecidas, é destoante dizer que o preço da sua obra é caro e de muitos outros autores. Entendo que no preço final de um produto, está agregado o valor da força de trabalho, além de outros valores. Ora, qual é a força de trabalho responsável do escritor, do poeta, senão criar e levar a sua criação ao leitor, no sentido de levar o conhecimento, a cultura e torná-lo um sujeito crítico, observador e porque não, um multiplicador de ideias e pensamentos. Criar e produzir boas coisas, não é só plugar numa tecla e pronto. Demanda, conhecimento, percepção do mundo e por fim, inspiração. Pois isto tem valor e muito, é inestimável e o preço tem que ser justo. Posto isto, é caro o preço de 45,00 pelo seu livro? Não, barato até demais.

Segunda questão, num país que se lê menos de 1,9 livros/ano e mais, a estatística se fosse mostrada por grupos, certamente seria notado que esta taxa mesmo baixa, seria por conta de uma minoria que realmente lê muitos livros por ano, o que esperar da valorização da cultura e conhecimento? Então meu amigo, é lamentável, mas a realidade é esta e cabe a nós, mesmo como a grãozinhos de areia no deserto, influirmos neste processo. De qual maneira? Inicialmente, não desistirmos.
Muito feliz o seu texto e apoio cada palavra dele.
Um grande abraço
Celêdian

artes e literatura disse...

Então, continuemos a nossa luta! E cara pálida que faz uma coisa desta nunca conheceu a magia de ler um livro!!!!! Valorizar o Poeta vivo engrandece cada vez mais a nossa alma! Beijos, Aninha