domingo, 26 de maio de 2013

Falta-me Paciência: Confesso!






É-me demasiado complicado

Dialogar com quem nunca amou...

Com quem nunca se descabelou,

Nunca se destemperou,

Momentaneamente,

Temporariamente...

Nunca se descongelou,

Para, em seguida, reaparecer oitavado.



Amar muda tudo.

Muda a forma de interpretar o mundo.

Que me perdoem os materialistas,

Os frios e calculistas,

Mas, vocês é que estão na contramão,

Do que desenhou para nós, a Mansidão!

Repito: o planeta Terra é Emocional!

Toda essa estúpida valorização material,

É um desnecessário atrito,

Provadamente improdutivo.

Segundo, claro, nosso processo evolutivo,

Rumo à essência do Bonito.



Qualquer afeição que não seja interesseira,

Que não seja posse,

Nem provoque disfarçadas tosses...

… Que seja, por tanto, verdadeira,



Pode proporcionar a rebentação,

Que necessita todo coração.

Música linda:
http://www.youtube.com/watch?v=-kydSJ3-ka8





 


2 comentários:

Ana Bailune disse...

Olá, Claudio. Você tem toda razão. Muito bom o seu poema.

Miriam de Sales Oliveira disse...

Prezado Cláudio,estamos selecionando os 100 melhores poetas desta geração e ,adoraria q/ vc participasse;faça contato,p/ favor.
Vc é meu seguidor no blog Fiat Lux e admiro muito seu trabalho.
E-mail:miriamdesales@gmail.com
Abração