quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Fidelíssimo Escudeiro





Meu corpo continua
Em ruptura!
Com tudo que isso implica
E complica,
Para só depois aliviar
E acariciar.
Vivencio uma revolução interna.
Daquelas que precedem as primaveras!
Suspeito, que não seja só física,
Mas, intensamente, holística!

Respeito, claro! Quem sou eu
Para desobedecer a matéria que me acolheu.
E, que, francamente, não tratei tão bem assim...
O emocional, ainda hoje, antecipa o físico fim.
É, reconhecidamente, excessivo,
O que sinto!
Sempre foi. Com o princípio de abertura
Da consciência,
Enfureceu-se a frequência!
Exijo-me em desenvoltura
Por entre as costuras
Da ambicionada altura.

A resistência fantástica de meu corpo
Estampa-se em meu rosto.
Valente, por entre as consecutivas tormentas,
Gostar de gostar é o que o sustenta!
É só o que ele pede,
Sem o que, ele se fere...
... De qualquer forma!
É o que afina suas cordas.





Vaila
http://www.youtube.com/watch?v=1Z5iHe6pkTs








Saiu meu quinto livro: "Lúcido"
90 crônicas datadas e 12 poesias.
Tudo inédito!
214 páginas.

Presenteie lirismo!!!

Para adquirir  livro meu, direto com a editora.
Basta digitar o nome do autor ou do livro no campo de pesquisa
http://24.233.183.33/cont/login/Index_Piloto.jsp?ID=bv24x7br





2 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Não sei ler esta poesia.
Parecem-me lutas interiores.
Confusões onde as dúvidas nos matam os sonhos...

Claudio Poeta disse...

Alguma confusão, sim, Luís, mas nenhuma dúvida. Tudo para manter o sonho!