quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Mãe Terra






Jamais poderia imaginar,
O quanto iria interiorizar
O conceito,
A expressão:
"Mãe Terra" !!!
Ah! Como os índios estavam certos!
Tinham elevadíssima percepção!
Eram, consideravelmente,
Coerentes!
Tinham um bonito jeito
De lidar com a imensidão.
Sobretudo, amavam a Terra.

Morar em um lugar,
Cuja exuberância da natureza
É de roubar o ar,
Com toda a certeza.
Trouxe à tona, meu lado índio.
Também não sinto necessidade de roupa.
Quando uso, é bem pouca...
Quando o coração aperta,
Recorro ao mar,
Ou à floresta,
Para me apaziguar
E voltar ao equilíbrio.

Este foi e é, o único tipo de abrigo,
Em seu mais estelar sentido.
O que nunca me falhou.
Nunca se ausentou, ou, me expulsou.

...Sempre me faz bem.
Abastece-me com o que há de maior,
De melhor,
Que meu estágio atual pode abarcar,
Para avançar.
A ideia é me proporcionar o ir além...

Mãe Terra: está todo inspirado em seu colo,
Meu próximo solo.




Música linda:




3 comentários:

Will Moa disse...

Olá, Cláudio!

Se nos faz bem olhar o tempo paralisado na imagem que tua sensibilidade captou, imagino que muito mais bem faz estar imerso nessa imagem paradisíaca. Teus versos provam isso.

Um abraço!

Toninhobira disse...

Pois é amigo,bom que o Mãe Terra esteja tão vivo e ativo nos dias atuais.Bom que o encantamento esteja ascendente.Bom que nos inspire a canta-las e entender dela toda generosidade.
Um abração.

Dulce Morais disse...

Comovente homenagem à vida e à "Mãe Terra"! Magnífica imagem.