terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Todo Encaixado








Depois?
Não sei...
Só sei,
Que, pela primeira vez,
No, agora, me encaixei...

Nada espero!
...Disponível e aberto...
Nem vestígio de ansiedade!
No colo da serenidade,
Redefino o avesso.
Quero estar aqui, agora, escrevendo esse texto,
Em poesia,
Como determina a minha sintonia!

Ofereci minha mão para o destino,
Para que conduzisse a composição do meu hino...
Todo elaborado em afetividade,
Em progressiva sensibilidade!
A partir do momento em que me coloquei à disposição,
Acabou a escuridão.
Chuva no sertão,
Haja inspiração!

Os espinhos,
Assimilo-os pelo caminho!
Não me sinto mais sozinho.
Reconheço o meu trilho.
Sei onde brilho.
Estou sob as asas de baiano carinho...
Alegria que se desdobra!
Um prêmio, pelo conjunto da obra!!!

Depois?
Não sei!
Só sei...
Sei que estou renascendo...
E me reescrevendo.
Com a experiência do passado,
Mas, oitavado.

Apaziguado,
Cada vez mais, arrebatado!

Acho que é melhor ainda, o que vem...  depois!





Presente para minha amiga/poetisa
Sandra Amorim




Música indicada:






Para adquirir meu terceiro livro
No site da editora Biblioteca24horas
Digite Txai no campo de pesquisa
Ao alto, no canto esquerdo











Um comentário:

Sandra Amorim disse...

Claudinho, sua poesia eleva nossa alma, nos faz refletir, é um incentivo no dia que está por vir... Adorei meu amigo! Um beijo enorme!