quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Foi Muito!





Fui, com muito cuidado,
Com muito tato,
Muito sofrimento
E fortes batimentos,
Que escalei as paredes
De minha solidão.
Desalojei suas redes.
Expulsei-a do coração.

Estava me fazendo exigências,
A descarada,
A desqualificada!
Criou uma trama de indulgências
Insuportáveis,
Além de inaplicáveis.
Mantinha o pé em meu peito,
Impedindo-me de pensar direito.

Foram e são tantas as dificuldades,
As tristezas,
As secretas represas,
Que se me permitir,
Por ali, escorregar...
Nunca mais vou me encontrar!
O único jeito de seguir
É pela positividade,
Sempre em busca de mais luminosidade.
Tenho que manter permanente vigilância,
Em todas as instâncias,
De minha avassaladora sensibilidade.
...Para que não se perca,
Nem se renda.

Tento assimilar que ela existe para me desenvolver.
Em hipótese alguma, para me desencarnar de tanto sofrer.
Ôxe! Quero mais é espalhar líricas possibilidades
De real felicidade!

Meu intento é anunciar a primavera,
E preparar a festa!




Música Indicada:




3 comentários:

Erasmo Shallkytton disse...

E as horas se aproximam para o grande momento. Eis que o tempo é a razão das tuas alegrias neste exato momento. Viva! Belo texto amigão! Abraços do amigão

Anônimo disse...

***** E eu estou com você neste barco viu?? rsrsrs " Quero mais é espalhar líricas possibilidades De real felicidade!*!*!*..." Parabéns meu amigo!*!* Beijão na alma!* >>> Narlei*

Toninhobira disse...

Sábia decisão amigo, o melhor da vida está por vi e vamos nos encantando com a vinda primavera.
Um abração.