terça-feira, 13 de setembro de 2011

NInguém Escapa






A característica mais marcante,
Mais extasiante!
Mais indigesta...
Ao mesmo tempo,
O maior argumento
Para a festa,
Talvez, seja a imprevisibilidade!
...Com o seu manto de inevitabilidade!

Ninguém escapa.
Nó que não se desata!
Uma fatalidade,
Que não se prevê a polaridade.
Causa desatinos,
Transtorna destinos.
Faz soar os sinos!
No estômago. um frio...

A dúvida!
A fagulha...
Incendiária
Ou libertária!
Escravagista,
Ou vanguardista!
Pânico,
Ou injeção de ânimo!

A imprecisão,
A impossibilidade de exata previsão,
Pedem cautela!
Olhar primeiro pela janela...
Ainda assim,
Pertence ao momento, o fim!
Por outro lado, o desafio
Acende o pavio...

Acrescenta um gosto especial,
Passional,
Visceral,
Sensacional!
Essa “manha”
Assanha!
Apetece...
Amadurece!

Uma brincadeira para se levar a sério.
Respeitar os universais critérios!
Empenhar-se!
Com bom senso, posicionar-se!
De zelo, carinho e paixão, armazenar-se...
Para então, com muita lucidez, entregar-se!
Dirimir-se...
Diluir-se!



Presente para:
Madalena Tedesco




Vídeo sugerido:
http://www.youtube.com/watch?v=6QGmAsX_3qE&feature=related


2 comentários:

helio.rocca disse...

Poeta, lindo este poema. Estou muito feliz pela publicação de seu livro, se estivesse aí na Bahia contigo, íamos sair para comemorar, hein... Parabéns, mano!

Anônimo disse...

Seu texto é de uma grandeza sem igual...Um homenagem com cores lindas...vídeo e imagens maravilhosos...trabalho brilhante...aplausos, meu carinho e meu beijo..."Ah! se a capa de seu livro está deslumbrante, imagine o recheio que nos aguarda!!!" Lety