quinta-feira, 20 de março de 2014

Engolir ou Explodir









É difícil saber até onde se deve suportar,
Ou, quando se deve, a mesa virar.
Quanto se deve aguentar,
E quando se deve arrebentar.
Quando engolir
Ou, explodir!
As divisões são invisíveis.
Tarefa das mais difíceis.
Pra piorar tudo, cada caso é um caso.
Não se pode imprimir regras,
Ou, conclusões pré-determinadas, cegas.
A mesma situação, em momentos diferentes,
Pode exigir conclusões divergentes.

Ufa! Haja lucidez
Para sobreviver com sensibilidade,
Junto a toda essa aridez,
Toda essa animosidade,
De nossa patética atualidade,
Desfigurada pela irresponsabilidade.

Nunca se precisou tanto de autoconhecimento... 
... De respeito, aos mais altos sentimentos,
Que, de algum jeito,
Habitam, sim, em todos os peitos.

Tudo, todo esse desgosto,
Oculto ou estampado em cada rosto,
Empurram às tempestuosas águas da frustração,
Causando uma extremamente incômoda sensação.

Sensação essa que tende a desaguar em violência.

De algum tipo, de alguma forma.
Mostra-se como a única corda.

Consciente destes dados, rogo-lhes: Consciência!







"Ando tão a flor da pele"
https://www.youtube.com/watch?v=Dl2WrDtN8WE






Presenteie lirismo!!!
Para adquirir  meus livros direto no site da Editora Biblioteca24horas,
Clique no link abaixo. 
Em seguida, digite meu nome ou o do livro no campo de pesquisa

http://24.233.183.33/cont/login/Index_Piloto.jsp?ID=bv24x7br








Um comentário:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Por vezes as situações tornam-se explosivas demais e outros dia de menos. Serão devidas ao nosso estado emocional.
Gosto de me deixar navegar nestas emoções e aprender a equilibrá-las.
A vida é feita de pequenos truques que aprendemos todos os dias.

- Aprender a viver.