sexta-feira, 30 de março de 2012

Totem



No tempo em que era homem,
Habitava em mim, um medo infantil de tudo,
Que não passasse pelo crivo
Das pessoas que eu gostava;
Consequentemente, acreditava...
Pena, elas terem, tanto, me omitido,
...Mentido...
Ação completamente sem sentido...
Como é isso de criar uma criança,
Com mentiras e exacerbados
Falsos moralismos?!
Talvez seja uma forma distorcida,
Corrompida
De psiquismo.
Acho um descalabro!
Um desrespeito para com o mundo!
São os famosos “cuidados” que destroem...
Fragilizam na base, a esperança!

No tempo em que era um homem:
Tentei de todos os modos,
Caprichar em meus solos...
Elevá-los,
Aos totens
Dos mais iluminados palcos...
Sabia que tinha algo a dizer,
Algo interessante à evolução,
Para fazer...
A dar em contribuição.
Tirei leite de pedra!
A arte me convocou em todas as terras
Que habitei!
Assim, a mediocridade, superei.
Fui ter com o mar...
Começou tudo a rodar...
E me maravilhei
Com o que me desvencilhei...
Tanto entulho,
Puxando-me pro fundo...

Era homem demais para sobreviver...
Tive que morrer
Para renascer poeta,
Com uma bem delineada meta:
Irradiar afeição e alegria,
Em versos ou em melodias...
Estendi a afetividade
Para a eternidade...
Comprometo-me, apenas, a emanar,
Semear,
Germinar,
Conclamar,
Ao amar!
Simplesmente amar...
...Já perdemos tempo demais,
Escondendo-nos em estranhas catedrais.
Chegou a hora de nos entregarmos ao perceber,
Para sermos o mais alto que pudermos ser.







Vídeo Excelente
Elba Ramalho e Gabriel Pensador
"Tempos Quase Modernos" 
http://www.youtube.com/watch?v=Tl6T7WRu5gU



Presenteie Poesia Nesta Páscoa

"Vida Alta" - Um livro corajoso, profundo, lúdico, sendo leve, alegre... Com alguns puxões de orelha, mas todo ele alto astral, pra cima! Cheio de força, perseverança. Uma aposta no autoconhecimento, como única via para a evolução. 


"Ardentia" - Versos arrebatados! Novo enquadramento para antigos questionamentos. - Uma explosão de determinação, alegria e paixão!


Contato: cbs263000@hotmail.com 
 




3 comentários:

Anônimo disse...

***** Acho um absurdo tbém, criar as crianças nestes falsos moralismos...e principalmente impor o medo para conquistar a obediência...Ai,ai.
Desde pequena, questionava muito as coisas que minha mãe me obrigava a seguir... Uma delas foi fugir do tal do catecismo rsrs. Mas agora o tempo é outro. Lindo seu texto!*
Parabéns poeta da Luz Dourada!*!*!* Um abração no coração!* >>> Narlei*

rosa-branca disse...

Olá amigo, já fui criança e nessa altura ninguém dizia nada ou então mentiam. Nunca me disseram o porquê de meus pais serem separados...atiraram comigo de casa em casa sem ao menos falar comigo. Hoje as marcas continuam abertas e só vão fechar quando eu partir. Lindo seu poema e muito real. É pois tempo de amar sem falsos moralismos, sem nada que mate esse sentimento tão belo. Adorei. Beijos com carinho

Flor da Vida disse...

Amigo, todos os teu textos merecem estar na mídia, mas este merece ainda mais!
Estes versos nos traz uma mensagem muita rica e reflexiva!
Nem preciso falar muito, os dois comentários anteriores ao meu falam tudo por mim.

Fica com meu carinho viu?
Beijos floridos